Carta de apoio do PSB (Brasil) à Campanha pelo Estado …

O Partido Socialista Brasileiro – PSB, no seu manifesto de 2005, postulou sua política externa com os seguintes princípios: “…autodeterminação dos povos, pelo fortalecimento dos organismos internacionais, contra todas as  formas de imperialismo, colonialismo e belíssimo, nelas incluídas as propostas hegemônicas das grandes potências”. A política externa do PSB está fundada nos princípios da soberania e a autodeterminação dos povos. Nesse sentido o PSB reconhece no conflito Israel-Palestina uma das mais importantes questões das relações internacionais contemporâneas, com reflexos sobre a estabilidade política de todo o oriente médio e impactos negativos à qualidade de vida de milhares de pessoas que ali vivem.
A perspectiva socialista exige que observemos as questões humanitárias, acima da agenda geopolítica que orienta a ação das potências mundiais naquela região. Um povo sem lar, oprimido pelo mais forte, não pode ser deixado à sua própria sorte. É mister para as forças internacionais de esquerda e socialista apoiarem a causa palestina.
É necessário recordar que, ainda no final do século XIX, a Palestina estava sob o domínio do Império Turco-Otomano, até que, ao final da Primeira Guerra Mundial, passa para domínio britânico. De outra parte, na Europa crescia o número e a força de grupos que perseguiam os judeus.  Nesse contexto, ganha força o movimento Sionista que defendia a criação de um Estado judeu.
Em 1947, após a Segunda Guerra Mundial, a Organização das Nações Unidas – ONU aprova resolução de Partilha da Palestina, que determinava a criação de dois Estados, um Judeu e um Palestino. Desde então, o processo de ocupação do território gerou milhares de refugiados palestinos, e, como reação a esse processo, cria-se, ainda na década de 60, a Organização para a Libertação da Palestina – OLP. Em 1974, a ONU convida a OLP para participar, como observadora, dos trabalhos da Assembléia Geral da organização.
As várias tentativas de negociações entre israelenses e palestinos, muitas vezes com a interferência dos Estados Unidos e Europa, não conseguiu trazer uma solução para uma estabilidade política da região. Quem mais tem perdido com essas negociações são o povo e o movimento de resistência palestina. Atualmente, diante da desigualdade abissal de forças com relação ao seu vizinho, o Povo Palestino precisa da ajuda, urgente, da comunidade internacional. O Brasil, desde o governo do Presidente Lula, tem se posicionado posicionou favoravelmente à criação do Estado Palestino com as fronteiras de 1967.
O Partido Socialista Brasileiro não se cala diante de tamanha opressão e desrespeito aos direitos humanos desse povo. Por isso, apóia a campanha pela Criação do Estado da Palestina Já, que busca mobilizar a opinião pública diante da votação que se realizará na ONU, em setembro de 2011, da resolução que reconheça o Estado Palestino como membro pleno da organização.
Assim, o PSB convoca os militantes socialistas a comporem em seus estados, comitês estaduais dessa Campanha pelo Estado Palestino Já! que conta com o apoio de dezenas de organizações políticas e sociais de esquerda. Com isso, o partido reforça a confiança nas fileiras socialistas, com a força da utopia e garra na busca contínua da equidade, para fazer ecoar esse grito de liberdade em toda a sociedade brasileira. Até a votação na ONU, devemos nos mobilizar para promover esse debate, apresentando a convicção em nossa perspectiva socialista.
Direção da Nacional do Partido Socialista Brasileiro